Insulina excessiva? Descubra a melhor solução

Talvez você ainda não saiba, mas a gordura corporal em excesso afeta diretamente a produção de um hormônio presente em nosso corpo: a insulina. A produção desenfreada desse hormônio gera uma série de conseqüências no organismo. Saiba mais!

22 / 08 / 2019 | Por: Dr Álvaro Afonso

Durante a vida, nosso DNA, que é o código genético do nosso corpo, sofre diversas modificações, mudando as informações contidas nele, é o que o Dr. Álvaro Afonso chama de inflamação. Essa inflamação acaba passando para outras partes do corpo do indivíduo, por exemplo, para o fígado e para a tireóide. Essas inflamações são geradas a partir da produção de insulina pelo pâncreas quando, por algum motivo, o ser humano não está se adaptando às condições do ambiente. Quando isso acontece, a insulina é lançada no organismo, e uma das principais consequências disso é o aumento de peso, de gordura corporal. Buscar um tratamento para essa produção desenfreada de insulina é extremamente necessário.
Como podemos equilibrar a produção excessiva de insulina?
A primeira coisa importante que se deve fazer é usar uma medicação para equilibrar a produção excessiva desse hormônio. A medicação indicada se trata também de um hormônio, chamado GLP1, que é produzido em vários lugares do nosso próprio corpo, principalmente no intestino. Esse hormônio deve ser usado de modo crônico, ou seja, durante a vida inteira, pois, mesmo que a pessoa que sofra com as inflamações citadas acima decida realizar a cirurgia bariátrica, ainda será necessário controlar a produção de insulina, caso contrário, toda gordura perdida será recuperada rapidamente.
Além da medicação, é indispensável mudar os comportamentos, nossos hábitos.
Mudando os hábitos…
Como principais causas da obesidade hoje em dia temos a ansiedade e a depressão, a gordura produzida pelo corpo serve como uma proteção contra possíveis surtos, ela funciona como um medicamento, porém não é o melhor tratamento, certo? Para isso, precisamos mudar nosso comportamento.
Comer em excesso pode parecer uma maneira confortável – pelo menos no momento – de se livrar de problemas do cotidiano, que geram a depressão e a ansiedade. Podemos perceber que muita gente não presta nem atenção no que está ingerindo, ou nem mesmo está comendo para saciar sua fome, ela faz isso somente para se acalmar. Esses comportamentos estão ligados à atividade do cérebro pré-frontal.
É imprescindível que a sociedade se torne consciente quanto a isso, precisamos compreender que a comida não pode funcionar como um medicamento para problemas do dia a dia, para problemas psicológicos. Se quisermos realmente diminuir a gordura corporal, temos que fazer escolhas novas, diferentes.
É por esse motivo que o tratamento para essas inflamações causadas pela insulina deve ser uma combinação entre o uso de medicação correta e a mudança de comportamento. O acompanhamento por um profissional qualificado também é necessário.
Então, não perca tempo, procure seu médico para realizar sua avaliação e a mentoria para solucionar o problema da produção exacerbada de insulina e suas conseqüências que fazem tão mal ao nosso corpo.